Busca

/Blog Hugo Leal

julho, 2009


Deputado continua trabalho para melhorias na BR-040

quinta-feira, 30 julho, 2009

? Depois de 12 anos de concessão da BR-040 é a primeira vez que a população de Petrópolis tem a oportunidade de participar de uma reunião com a ANTT e Concer. O meu trabalho em dar uma solução para os problemas da estrada, ? o aumento do pedágio, duplicação da subida da serra Rio-Petrópolis, ligação Bingen-Quitandinha e abertura do retorno do pedágio na Posse ? foi iniciado logo que assumi o meu mandato de deputado federal, protocolando requerimentos de informações e promovendo audiências públicas na Câmara dos Deputados, onde sou vice-presidente da Comissão de Viação e Transportes. Vou dar continuidade a este trabalho até conseguir ver todas estas questões resolvidas ? afirmou Leal.

O deputado lamentou que a participação da sociedade tenha sido pequena, no entanto, em função de uma reunião marcada pelo prefeito Paulo Mustrangi em seu gabinete com os representantes da ANTT e Concer ? antes do encontro na Câmara ? o tempo do debate no Legislativo foi encurtado.

? Eu me associo aos que reclamaram da pequena participação popular. Inicialmente, quando só o encontro na Câmara estava agendado, a previsão de duração do mesmo era de 4 horas, o que permitiria uma ampla discussão com os representantes da ANTT e Concer e a comunidade petropolitana que esteve tão bem representada em plenário por diversos segmentos da sociedade. Lamentavelmente em função das alterações o tempo ficou curto para um debate amplo ? disse Leal.

Um projeto de estudo técnico sobre a ligação Bingen-Quitandinha, feito pela CPtrans, na gestão do presidente Antônio Carlos Correa, ? já protocolado na ANTT por Hugo Leal em 4 de junho de 2009 ? foi entregue pelo deputado ao diretor da ANTT, Mário Rodrigues e ao diretor-presidente da Concer, Pedro Jonsson durante a reunião no gabinete do prefeito. O diretor da ANTT se comprometeu a fazer um estudo de viabilidade do projeto em 90 dias.

Hugo Leal lembrou que é importante que todas as forças políticas da cidade estejam unidas nesta ampla discussão que tem como único objetivo atender a estas justas reivindicações da população petropolitana.


Marcio Muniz cobra da ANTT ação rápida e eficaz

terça-feira, 28 julho, 2009

O líder o PSC na Câmara pediu que a Agência Nacional de Transporte Terrestre (ANTT) seja representante do povo. ?As agências foram criadas para respeitar o contrato. É importante que tenha mais clareza?, destacou Marcio.

O vereador utilizou a Agência Nacional de Saúde (ANS) como exemplo que não deve ser seguido pela ANTT. ?A ANS é péssima para os médicos e para a população. Ela (ANS) só se preocupa com os planos de saúde?, disse Muniz.

Para finalizar, Marcio fez questão de destacar que a ANTT seja rápida e atue com eficácia.

Fonte: Assessoria de Comunicação do Vereador Marcio Muniz


ANTT E Concer falam sobre a BR-040 em encontro na cidade Petrópolis

segunda-feira, 27 julho, 2009

Com o plenário lotado por representantes de diversos segmentos da sociedade, o diretor da ANTT, Mário Rodrigues se comprometeu a apresentar até o próximo dia 26 de outubro um estudo de viabilidade sobre a ligação Bingen-Quitandinha. Quanto às obras de duplicação da subida da Serra de Petrópolis, Mário Rodrigues afirmou que elas serão iniciadas no final de 2010 com o prazo de 3 anos para a sua finalização.

O deputado Hugo Leal, considerando o valor do pedágio da BR-040 muito alto ? com reajuste previsto para agosto, segundo a ANTT ? disse que vai continuar a trabalhar para que uma reavaliação do mesmo venha a acontecer.

? Como parlamentar vou persistir na luta pela redução deste valor com questionamentos junto à ANTT para que o valor da tarifa pedágio seja revisto e possa vir a ser reduzido ? falou o deputado.

O retorno da praça da praça do pedágio da Concer na altura da Posse foi abordado pelo vereador Samir Yarak (PSC). Ele alertou que o fechamento do mesmo tem prejudicado principalmente os motoristas moradores da localidade.

? A passagem está aberta, no entanto, quem passa por ela corre o risco de ser multado. O retorno tem que voltar a ser liberado ? falou Samir.

O vereador Marcio Muniz (PSC) disse que a rodovia BR-040 ocupa o 10º. lugar em extensão e é a 3ª. mais cara do país.

? Queremos que a Concer cobre um preço justo no pedágio, o valor atual é muito caro. Nós representamos o povo e assim pretendemos continuar. Precisamos de mais clareza quanto ao contrato da Concer ? relatou Muniz

Estiveram presentes ao encontro, o secretário de Estado de Transportes, Júlio Lopes; o chefe de gabinete do prefeito de Petrópolis, Wilson Franca; o presidente da Câmara, Bernardo Rossi; os vereadores: Marcio Muniz, Samir Yarak, Wagner Ferreira, Roberto Naval, Dudu, Renato Thomé, Jorginho do BANERJ e Baninho; o procurador Charles Estevão Pessoa e o diretor-presidente da Concer, Pedro Antonio Jonsson.

Fonte: Assessoria de comunicação do Deputado Hugo Leal


Hugo Leal promove encontro em Petrópolis com representantes da Concer e ANTT?

terça-feira, 21 julho, 2009

Para o encontro foram convidados os diretores da Agência Nacional de Transportes (ANTT), Bernardo Figueiredo e Mário Rodrigues; o diretor-presidente da Concer, Pedro Antônio Jonsson; o superintendente da Polícia Rodoviária Federal do Estado do Rio de Janeiro, inspetor Carlos Hamilton; o prefeito de Petrópolis, Paulo Mustrangi, o presidente da Câmara, Bernardo Rossi; os vereadores da cidade e os prefeitos de Areal, Três Rios, Paraíba do Sul e de Comendador Levy Gasparian.

O deputado Hugo Leal explicou que a opção da reunião ser realizada na Câmara foi em função do espaço poder proporcionar a participação da sociedade petropolitana.

? Este é um assunto que interessa a muitas pessoas e por isso acho fundamental a participação da comunidade. O encontro é aberto a todos os interessados ? disse Leal.

Vice-presidente da CVT, Hugo Leal considera como principais questões a serem abordadas: a revisão da tarifa do pedágio, as obras de ligação do Bingen-Quitandinha e da duplicação da subida da serra de Petrópolis e o retorno no pedágio da Praça da Concer, localizada no distrito da Posse.

? A revisão da tarifa é uma medida emergencial. Quanto às obras que precisam ser executadas pela concessionária, elas são de extrema importância, principalmente para aqueles que se deslocam quase que diariamente para a cidade do Rio de Janeiro. A ligação Bingen-Quitandinha vai ser um fator fundamental para desafogar a malha viária de Petrópolis.

O parlamentar reiterou a sua posição de que qualquer uma dessas melhorias não podem ser revertidas aos usuários da BR-040, com aumento da tarifa do pedágio.

? A execução destas obras está prevista no contrato de utilização da Concer, portanto, é um compromisso da empresa a sua realização ? falou Hugo Leal.

Assessoria de comunicação do dep. Hugo Leal


Quissamã ganha Centro de Tecnologia de Engenhos

sexta-feira, 17 julho, 2009

?Este empreendimento representa a integração e sensibilidade do governo municipal?, afirmou o deputado federal fluminense Hugo Leal (PSC-RJ), ressaltando que a obra vai alterar o dia-a-dia de toda região. ?Estamos reunindo as três esferas de Poder (federal, estadual e municipal) para realizar o que a população esperava?, disse, garantindo que defende no Congresso a realidade agrícola do Norte Fluminense.

Localizado no Canto de Santo Antônio, o CTE pretende ser um centro multifuncional que contribuirá para alavancar a produção de derivados de cana, como etanol, melado, rapadura e cachaça de qualidade. Além disso, será uma unidade para difusão de tecnologia e para pesquisa no setor em parceria com a Universidade Estadual do Norte-Fluminense (Uenf), Centro de Tecnologia da Cachaça de Minas Gerais, Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) e com a Secretaria Estadual de Ciência e Tecnologia.

Na ocasião, também foi inaugurado – na estrutura do CTE – o alambique Tombos, de origem mineira. Além disso, foi apresentado o Circuito dos Engenhos, com visitas pelos alambiques que fazem parte do caminho da produção de cachaça de qualidade, entre outros derivados da cana. O secretário estadual de Agricultura, Pecuária, Pesca e

Abastecimento, Christino


Deputados começam pelo Rio visitas para conhecer transporte ferroviário de passageiros

quarta-feira, 15 julho, 2009

Amanhã (14), eles seguem para São Paulo, na quarta-feira (15), para Brasília e, na quinta (16), para Belo Horizonte.

- Estamos conhecendo a situação, porque o país deixou de investir neste tipo de transporte há muito tempo – declarou o deputado Hugo Leal, a bordo do trem da Supervia no trajeto entre a Central do Brasil e a Estação do Engenho de Dentro, na Zona Norte da cidade.

Ele destacou, também, que os investimentos em transporte urbano ferroviário são muito altos e de retorno lento. Para ele, os custos devem ser assumidos pelo Poder Público em parceria com a iniciativa privada.

- Aqui no Rio, Supervia e Metrô estão apresentando resultados positivos há apenas dois anos. Até então, em 10 anos, só tiveram prejuízo – disse Hugo Leal. – Como o transporte coletivo é concessão pública, o Estado é dono dos trens e as empresas concessionárias são as operadoras. Isto já é uma parceria que vem desde antes da proposta do PPP, as parcerias público-privadas – enfatizou.

Segundo o deputado fluminense, as visitas aos sistemas de transportes ferroviários de passageiros nas capitais também serve para avaliar o que cada sistema tem de melhor, afim de que os novos investimentos incorporem esses benefícios, de acordo com a realidade de cada cidade metropolitana.

O relator da Subcomissão, deputado Leonardo Quintão, disse que o modelo de concessão ? tanto para o Metrô quanto para os trens urbanos ? utilizado no Estado do Rio pode servir de experiência para outros estados que visam melhorar os seus transportes de massa.

Já o secretário estadual de Transportes enfatizou que as melhorias são frutos de acordos e negociações do Governo do Estado e das concessionárias.

- Muitas melhorias são ações que o usuário não vê. No entanto, elas trazem enorme benefício para o sistema. A secretaria estadual de Transportes vem trabalhando muito para promover um salto qualitativo no transportes de passageiros sobre trilhos, uma das principais metas de nossa gestão. A compra dos 30 novos trens da Supervia assim como a aquisição dos 114 carros do Metrô comprova isso ? completou Julio Lopes.

Na cidade do Rio de Janeiro, a Supervia opera os trens suburbanos tradicionais e o Metrô, as linhas 1 e 2 e o chamado metrô de superfície, que são, na realidade, ônibus refrigerados com estações determinadas para embarcar e desembarcar passageiros.

Os deputados começaram as visitas, na companhia do secretário estadual de Transportes, Júlio Lopes, até a sede do Metrô, ao Centro de Controle Operacional e às oficinas, no centro da cidade. Eles estiveram nas obras da linha 1-A, que ligará o bairro de São Cristóvão à Praça da Bandeira. Também visitaram as obras da estação de Ipanema, na Zona Sul da cidade.

Depois, o grupo foi à sede da Supervia, administradora das linhas de trens comuns, que interliga o Centro aos subúrbios e às cidades da Baixada Fluminense. Ali, eles assistiram a um vídeo institucional e conheceram o Centro de Controle Operacional. Depois, a comitiva foi até a Estação Central do Brasil, seguindo em trem especial até o Engenho de Dentro, uma das mais movimentadas na linha dos subúrbios cariocas.

Pouco depois das 17h, eles seguiram de carro até a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) para conhecer o Maglev, o trem magnético leve, desenvolvido pelo Instituto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia (Coppe/UFRJ). O projeto foi apresentado pelo seu coordenador, o professor Richard Stephan.

O Maglev dispensa trilhos e rodas e foi projetado pela equipe do Laboratório de Aplicações de Supercondutores (LASUP), da Coppe, e da Escola de Engenharia da UFRJ, para percorrer um trecho de 114 metros durante a fase de teste e transportar até seis pessoas, por módulo de um metro de comprimento.

A meta, até o ano que vem, é ampliar para três quilômetros o trajeto, na Cidade Universitária, e aumentar a capacidade de transporte para 254 passageiros, por viagem, do Hospital Clementino Fraga Filho ao prédio da reitoria, a uma velocidade de 70 quilômetros por hora, como a do metrô carioca.


Com Agência Brasil e Ascom Secretaria Estadual de Transportes


Deputado pede urgência para votação do acordo entre a República Federativa do Brasil e a Santa Sé

segunda-feira, 13 julho, 2009

O acordo foi assinado na Cidade-Estado do Vaticano, em novembro do ano passado, em audiência do presidente Lula com o Papa Bento XVI, com a presença do Núncio Apostólico do Brasil, Dom Lorenzo Baldisseri. O documento, contendo vinte artigos, trata do Estatuto Jurídico da Igreja Católica no Brasil, definindo sua personalidade jurídica e as condições institucionais para o pleno desenvolvimento da missão apostólica e pastoral. O acordo agora depende da aprovação do Congresso Nacional.

? Todos os tratados internacionais passam por determinação constitucional, pelo ferimento da soberania. Mesmo tendo a aprovação do presidente da República eles precisam ser referendados pelo Congresso Nacional. Precisamos agilizar este processo. O Brasil é o país que tem o maior número de católicos do mundo ? explica o deputado.


Hugo Leal agora é cidadão teresopolitano

quinta-feira, 9 julho, 2009

O deputado Hugo Leal disse estar muito feliz com a homenagem e que vai continuar a trabalhar para que Teresópolis continue a receber recursos federais que possam contribuir para o desenvolvimento da cidade e melhoria da qualidade de vida dos seus moradores.

? É com muito orgulho que hoje me torno um ?cidadão teresopolitano?. Muito me honra este título recebido por este amigo e companheiro de partido, Waguinho. Estarei trabalhando em Brasília para que Teresópolis continue a receber recursos que venham a alavancar o seu desenvolvimento. Agora, a minha responsabilidade com a cidade é ainda maior ? disse o parlamentar.

Assessoria de Comunicação do Deputado Hugo Leal


Médicos saem à rua por lei seca e divulgam pesquisa inédita sobre comportamento jovem

quinta-feira, 9 julho, 2009

Para o deputado Hugo Leal, autor da Lei 11.705/08, é muito importante a participação de médicos e de jovens debatendo a Lei Seca, pois mostra que está havendo uma mudança de comportamento na sociedade brasileira. Durante o evento, o deputado falará sobre a redução dos índices de acidentes e de mortes em consequência de acidentes de trânsito e sobre a inserção do Brasil na Década do Trânsito, uma resolução da ONU para os anos 2010-2020.

- Vamos saber se a Lei Seca mudou a mentalidade e as atitudes do jovem brasileiro – explica o ortopedista José Sergio Franco, diretor de campanhas comunitárias da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia, que apoia a iniciativa. A pesquisa junto às principais universidades do Rio de Janeiro e de São Paulo, repetindo o mesmo questionário aplicado em 2007, antes da Lei Seca, foi encomendada pelo congresso médico ORTRA.

Do fórum no Hotel Intercontinental, em São Conrado, Zona Sul do Rio, participarão cerca de mil ortopedistas brasileiros, que além de conhecer o resultado da pesquisa, ouvirão depoimentos de parentes de mortos em consequência de acidentes de trânsito provocados por motoristas embriagados. Além de Hugo Leal, participam, entre outras autoridades, um representante da Organização Mundial de Saúde, dr. Marcos Musafir; e um representante do Ministro da Saúde, Otaliba de Moraes Neto, diretor do Departamento de Análise da Situação da Saúde.

Assessoria de Comunicação Gabinete do deputado federal Hugo Leal


Para ministro da Saúde Lei Seca é um ?marco histórico?

quarta-feira, 8 julho, 2009

Segundo Hugo Leal, apesar de os números não serem tão expressivos, a lei seca se mostrou altamente positiva neste primeiro ano de vigência, acrescentando que as estatísticas da Polícia Rodoviária Federal confirmaram redução no número de mortes nas estradas federais.

- Também houve aumento significativo do número de autuações por embriaguez, o que demonstra a existência de um maior rigor na fiscalização realizada pelos agentes de trânsito – afirmou o autor da Lei Seca.

A Lei Seca completou um ano em vigor no dia 20 de junho. Ela alterou alguns dispositivos do Código de Trânsito, para, por exemplo, considerar infração administrativa dirigir sob influência de álcool. Ainda segundo a PRF, até 31 março de 2009, foram aplicados 120 mil testes de bafômetro, com 10 mil flagrantes de embriaguez e sete mil prisões por este motivo.

Convidado a participar da audiência, o ministro da Saúde, José Gomes Temporão, falou sobre o aniversário de um ano da Lei Seca. Segundo ele, a nova lei representa um “marco histórico” na mudança de comportamento de motoristas brasileiros. Ele adiantou o resultado de uma pesquisa da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia que será divulgada amanhã, que revela que 84% dos jovens entrevistados dizem aprovar a lei e 50% afirmam que não mais dirigem após beber.

- O álcool tem uma relação direta com os acidentes e com a gravidade desses acidentes – disse o ministro.

O ministro também apresentou dados divulgados pelo Ministério da Saúde que apontam queda de 22,5% no número de mortes em consequência de acidentes de trânsito. Já os atendimentos às vítimas, em hospitais conveniados ao Sistema Único de Saúde (SUS), caíram 23%, comparando o segundo semestre de 2007 com igual período do ano anterior.

Durante a reunião, o deputado Jofran Frejat (PR-DF) ressaltou que a Lei Seca nasceu na Câmara dos Deputados. O parlamentar destacou a atuação do deputado Hugo Leal nas articulações que transformaram a Medida Provisória 415, que proibia a venda de bebidas alcoólicas nas rodovias, em uma lei que reduziu a zero a tolerância com a combinação de direção e consumo de álcool. O que aconteceu aqui nesta casa (Câmara dos Deputados), foi a introdução do conceito alcoolemia zero, acrescentou Leal.

- A Lei Seca como é popularmente conhecida, diferente do que o apelido pode sugerir, não proíbe nem reprime o consumo de bebidas alcoólicas. Como sempre digo quando questionado, bebe quem quer, quando e como quer e na quantidade que julgar adequado. Moderadamente, como sempre se recomenda, ou abusivamente se não se importar com sua reputação. Na verdade, a lei da vida, como preferimos chamá-la, apenas proíbe a mistura de qualquer bebida, que descontrai e alegra, ao ato extremamente responsável e que exige absoluta atenção e domínio dos sentidos que é conduzir um veículo automotor. Seja uma moto, veículo de passeio, caminhão de carga ou ônibus de passageiros ? explicou o deputado.

O secretário-executivo do Ministério da Justiça, Luiz Paulo Barreto, também participou da audiência pública. De acordo com ele, não houve diminuição na fiscalização de trânsito. Ele destacou a falta de bafômetros em todo o país para realizar os testes nos motoristas. Segundo a Polícia Rodoviária Federal, a Lei Seca começou a valer antes de os estados estarem equipados. Somente 300 bafômetros estavam funcionando em todo o país.

Barreto disse que o combate à combinação álcool e trânsito virou uma estratégia de segurança pública do governo e que já foram comprados 10.000 bafômetros para serem usados pela Polícia Rodoviária Federal nas estradas e doados aos estados. Ele reclamou que alguns estados sequer foram buscar os equipamentos.

- A população levou um susto (quando a lei entrou em vigor), mas a fiscalização era zero naquele momento e motoristas foram relaxando na conduta. Daqui a alguns anos as pessoas vão se perguntar como era possível as pessoas beberem e pegarem no volante, colocando em risco a própria vida e a de outras pessoas – disse, comparando a Lei Seca com a proibição de fumar em cinemas e aviões e o uso do cinto de segurança, que já estão consolidados culturalmente.

Desde o início da lei até hoje, houve uma queda de 1,5% no número de acidentes, segundo a Polícia Rodoviária Federal. Os mortos no trânsito também caíram 10,5% e os feridos, 5,1%. No período houve um aumento de 9,8% na frota de carros do país.

Assessoria de Comunicação do Deputado Hugo Leal