Busca

/Blog Hugo Leal


Hugo participa de simpósio sobre Direito e Trânsito

quarta-feira, 16 agosto, 2017

O deputado federal Hugo Leal (PSB/RJ), autor da Lei Seca e presidente da Frente Parlamentar em Defesa do Trânsito Seguro, participou, nesta quarta (16/08) da abertura do simpósio O Direito e o Trânsito: as normas de trânsito como instrumento de melhoria da qualidade de vida da sociedade, organizado pela Associação Nacional dos Detrans, pela Associação dos Magistrados do Distrito Federal (Amagis/DF) e pela Escola de Magistratura do Distrito Federal. “A aproximação entre Executivo, representado pelos Detrans, e Judiciário é fundamental para atacarmos o gravíssimo problema da violência do trânsito em nosso país”, afirmou Hugo Leal.

Durante todo o dia, especialistas e autoridades do assunto debateram sob a ótica jurídica, propostas para promoção da segurança no trânsito e para a construção de uma mobilidade humana mais eficiente. O presidente da Associação Nacional dos Detrans (AND) e diretor do Detran de Alagoas, Antônio Carlos Gouveia, também destacou a necessidade de ações para punir infratores e educar melhor os novos motoristas. “Os condutores que se envolvem em acidentes precisam ser responsabilizadas de forma criminosa. E a conscientização dessas pessoas necessita ser trabalhada desde o início. As instituições que formam novos motoristas têm que serem encaradas como ambiente de ensino e não, apenas, como um lugar para tirar a habilitação”, afirmou.

Autor da Lei Seca, o deputado e também advogado Hugo Leal recebeu das mãos do presidente do Detran uma placa em homenagem por sua atuação pela segurança Viária no Legislativo. “O Código de Trânsito Brasileiro
está completando 20 anos e é um instrumento jurídico eficiente e moderno. Mas, naturalmente, precisa de atualização constante. A própria Lei Seca – lei 11.705, de 2008 – foi um mudança importante. E, por conta de questionamentos do Judiciário, buscamos aperfeiçoá-la com a Lei 12.760/2012″, afirmou o presidente da Frente Parlamentar em Defesa do Trânsito.

Antônio Carlos Gouveia acredita que o simpósio aponta para uma mudança de comportamento dos condutores. “Todos fazem o trânsito juntos. Quem se envolve em um acidente fatal, com a atual legislação, não sofre pena alguma. Mas, a família fica com a dor que não passa. E por isso a importância desse evento, vamos dar o eco sobre o tema”, disse. A programação do evento contou com quatro mesas de debates. Na primeira, foi discutido o tema O poder regulamentar do Contran. Em seguida, houve debate sobre A judicialização das questões decorrentes da aplicação das normas de trânsito. O terceiro tema do simpósio foi O papel da sociedade civil organizada nas políticas públicas de trânsito. Os debates foram encerrados com o tema A importância do envolvimento das autoridades e da imprensa nas campanhas educativas de trânsito.

Compartilhar

Emenda de Hugo: Sapucaia recebe ônibus escolar

quarta-feira, 16 agosto, 2017

A Prefeitura de Sapucaia acaba de receber mais um ônibus escolar, do Programa Caminho da Escola, comprado através de emenda parlamentar, no valor de R$ 150 mil, de autoria do deputado federal Hugo Leal (PSB/RJ), “Ter um transporte escolar de qualidade é fundamental para garantir a segurança dos estudantes e reduzir a evasão escolar. Por isso, fiz questão de atender ao pedido da vereadora Regina Alípio, do PSB de Sapucaia, uma incansável batalhadora das questões da educação”, afirmou o parlamentar ao festejar da chegada do ônibus escolar.

De acordo com a Secretaria de Educação de Sapucaia, o prefeito Fabrício Baião, secretária de Lindalva Guimarães Alípio, a secretária-adjunta Jalda de Araújo e o coordenador de Transporte Escolar, Josafá Magiole, receberam esta semana o veículo do Programa Caminho da Escola. O deputado Hugo Leal lembrou que garantir recursos através de emendas faz parte do trabalho parlamentar. “Para isso, precisamos de parceiros, como a vereadora Regina Alípio, que conheçam bem as demndas do município”, afirmou o parlamentar. “A chegada desse ônibus foi maravilhoso e vai nos ajudar muito, é um veículo confortável e seguro”, disse o coordenador Josafá.

Compartilhar

Críticas à demora na aprovação de novos etilômetros marcam audiência pública

terça-feira, 15 agosto, 2017

Agentes de fiscalização da Lei Seca criticaram, em audiência pública na Câmara dos Deputados nesta sexta-feira (15/8), a demora na homologação pelo Inmetro (Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia) da homologação de etilômetros – conhecidos também como bafômetros – mais modernos e mais adequados às operações. “Estamos trabalhando com equipamentos fabricados com a tecnologia de 15 anos atrás. Há etilômetros, já aprovados em outros países, que agilizariam a fiscalização e as punições”, destacou o coronel Marco Andrade, coordenador da Operação Lei Seca no Rio. “Só temos dois modelos de etilômetros aprovados e esses modelos estão obsoletos”, acrescentou Marcelo de Azevedo, da Polícia Rodoviária Federal.

Autor da Lei Seca e responsável pela proposta de audiência pública na Comissão de Viação e Transportes, o deputado federal Hugo Leal (PSB-RJ) destacou a importância das ações de fiscalização para a redução do número de vítimas no trânsito. “A fiscalização é um dos instrumentos que, junto com ações de educação e engenharia, forma o tripé do trânsito seguro. É essencial que haja uma fiscalização contínua e focada nos comportamentos que colocam em risco a segurança, dentre os quais se destaca o de beber e dirigir, uma das principais causas de acidentes com morte em nosso país”, alertou o deputado,

Presidente da Frente Parlamentar em Defesa do Trânsito Seguro, Hugo Leal também cobrou do Inmetro maior celeridade na avaliação dos processos de homologação. “Não é possível que, em mais de 10 anos, nenhum novo modelo de etilômetro tenha sido aprovado. Apesar de termos outras formas, como o exame de sangue e a visualização de sinais pelos agente, o etilômetro é o instrumento mais prático e mais eficaz para detectar o consumo de álcool pelo condutor, sendo amplamente aceito como prova”, enfatizou o parlamentar, durante a audiência pública.

Representante do Inmetro, a pesquisadora Anna Gleice da Silva Santos informou que seis novos modelos de etilômetros estão sendo analisados pelo órgão e, caso sejam aprovados, podem ser homologados ainda este ano. Anna Gleice admitiu que o Inmetro chegava a demorar dois anos para a avaliação de equipamentos por falta de pessoal mas que este problema já foi resolvido. Ela acrescentou ainda que, por vezes, a demora na análise é responsabilidade das empresas fabricantes dos etilômetros. “Estamos buscando melhorar os procedimentos mas não podemos abrir mão de exigir qualidade nos equipamentos”, argumentou a pesquisadora do Inmetro.

Coordenador-Geral de Qualificação do Fator Humano no Trânsito do Denatran, Francisco Garonce destacou a importância do debate. “Nossa missão primordial no Denatran é salvar vidas. Creio que, com essa iniciativa do deputado Hugo Leal, estamos caminhando para termos instrumentos melhores para a fiscalização”, disse Garonce. Também esteve presente ao encontro o coronel Cícero Costa, representante da Associação Nacional dos Detrans e coordenador da Operação Lei Seca, em Alagoas. “O etilômetro é um instrumento de trabalho fundamental para as operações que hoje já acontecem em 21 estados do país”.

Também participaram do debate representantes de empresas fabricantes dos aparelhos: o diretor da AGS Diagnósticos, Luciano Pimentel, o especialista de Produtos da Dräger Safety do Brasil, Washington Trindade, e o diretor industrial da Elec, Eder de Carvalho. “Nós temos um etilômetro homologado pelo Inmetro em 2003 que paramos de fabricar em 2010 porque ficou obsoleto. E temos aparelhos mais modernos, que são usados pelas autoridades de outros países que não foram aprovados pelo Inmetro. Mas o instituto têm se mostrado mais aberto ao diálogo para aperfeiçoarmos os equipamentos e as empresas estão dispostas a contribuir”, assegurou Washington Trindade.

O deputado Hugo Leal encerrou a audiência pública com a avaliação que o encontro contribuiu para ampliar o debate. “Sei que o Inmetro vem buscando também promover o diálogo entre os interessados – órgãos de fiscalização, empresas, autoridades de trânsito – e espero que esse processo ganhe celeridade e agilidade para que tenhamos mais equipamentos homologados para a fiscalização não apenas do consumo de álcool mas, no futuro, também dos chamados drogômetros para verificar o uso de drogas como já ocorre em outros países”, afirmou o autor da Lei Seca e presidente da Frente Parlamentar em Defesa do Trânsito Seguro.

Compartilhar

Hugo Leal destaca legislação para punir crimes contra policiais

terça-feira, 15 agosto, 2017

Em pronunciamento na noite desta segunda (15/8) na Câmara, o deputado federal Hugo Leal lembrou que o Congresso Nacional aprovou a Lei 13.142/2015, sancionada em 6 de julho daquele ano, que aumenta as penas para crimes violentos contra agentes de segurança e inclui esses crimes na Lei de Crimes Hediondos. “O secretário de Segurança do Rio, talvez pela comoção causada pela escalada da violência no nosso estado, citou a falta de atuação legislativa nessa questão. Mas o Legislativo tem atuado, inclusive com esta lei, sancionada dois anos atrás após ser aprovada na Câmara e no Senado, exatamente para punir com mais rigor quem ataca os agendes de segurança”, afirmou o parlamentar, coordenador da bancada do Rio no Congresso.

A Lei 13.142/2015 alterou o artigo 121 (homicídio), do Código Penal, acrescentando mais uma circunstância qualificadora – que provoca o aumento da pena – no caso da vítima ser policial, militar, integrante do sistema prisional e da Força Nacional de Segurança. no exercício da função ou em decorrência dela, ou contra seu cônjuge, companheiro ou parente até 3º Grau. A lei alterou, ainda, o artigo 129, acrescentando ao tipo um novo parágrafo (§ 12), majorando a pena da lesão corporal (dolosa, leve, grave, gravíssima ou seguida de morte) de um a dois terços nos mesmos casos da vítima ser agente de segurança. Por fim, foi alterada a Lei 8072/1990 para que o homicídio e a lesão corporal gravíssima ou seguida de morte, quando praticados contra integrantes das forças de segurança (e seus parentes) passam a ser etiquetados como crimes hediondos.

O deputado Hugo Leal lembrou ainda que a Câmara está debruçada em outros projetos para endurecer a legislação em relação a outros crimes e voltou a citar o secretário de Segurança, Roberto de Sá. “Podemos entender a comoção vivida pelo secretário que é a mesma de todos, nós, os moradores do Rio que sofremos com a escalada da violência que levou até a intervenção das Forças Armadas. A criminalidade precisa de combate em todas as frentes – inclusive a legislativa – mas é importante que as autoridades estejam informadas e não se deixem levar pela comoção causada pela violência, inclusive contra policiais, no Rio de Janeiro”, afirmou o parlamentar.

Compartilhar

Motociclistas fazem manifestação contra violência

segunda-feira, 14 agosto, 2017

Dezenas de motociclistas participaram, neste sábado (12/8) de manifestação para denunciar o crescente aumento de roubos e furtos e pedir mais segurança. “É muito importante que a sociedade se organize para cobrar das autoridades. Os motociclistas, através de suas entidades, têm feito esse papel”, afirmou o deputado federal Hugo Leal, que acompanhou a manifestação.

A Motociata contra a Violência e pela Paz, organizada pela FMCRJ (Federação de Motoclubes do Estado do Rio de Janeiro) percorreu a orla da Barra até o Leme, onde houve leitura de carta às autoridades pedindo mais segurança e combate aos roubos de motos e à receptação. “O roubo de motocicletas subiu 30% nos últimos seis meses e nós, motociclistas, estamos pedindo às autoridades mais atenção com ações preventivas e também repressão a receptadores de veículos e peças”, afirmou Humberto Montenegro, dirigente da Federação de Motoclubes do Estado do Rio de Janeiro, destacando a parceria com o deputado Hugo Leal em ações pela segurança pública e a segurança viária.

O parlamentar garantiu que vai levar as reivindicações às forças de segurança. “O Rio vive um momento muito difícil com uma escalada da criminalidade e a polícia precisa ouvir a sociedade para melhorar o combate ao crime. Nós também vamos continuar trabalhando no Congresso por uma legislação mais dura contra receptação e contrabando”, afirmou o deputado Hugo Leal.

Compartilhar

Moradores de condomínios da BR-040 pedem apoio de Hugo Leal para viaduto

domingo, 13 agosto, 2017

Moradores e síndicos de 12 condomínios situados às margens da BR-040, no trecho entre o distrito de Pedro do Rio e o pedágio de Areal, solicitaram o apoio do deputado Hugo Leal (PSB-RJ) na busca de uma solução para a dificuldade de acesso às moradias devido a falta de um viaduto no trecho. O problema se arrasta por mais de 20 anos, quando a Concer – concessionária que administra a rodovia, instalou o pedágio no km 45, onde existia um retorno para as duas pistas, explicou Marcelo Raibolt, da Adconta, administradora dos condomínios, em encontro realizado no sábado (12/8). Pelo menos dois condomínios, além de comunidades, como a do Cambote, já estavam estabelecidos na Região. Com a criação da praça, os moradores passaram a serem obrigadas a pagar pedágio.

O deputado Hugo Leal disse que o retorno no trecho é uma questão consolidada. Ele levará a solicitação à ANTT. Hoje, os moradores se arriscam em terem seus veículos multados ao acessarem uma abertura no guardrail, um retorno improvisado. Hugo Leal disse que uma das soluções é incluir a construção do viaduto como uma das obrigações na nova licitação que será feita em 2018 para a nova concessão da rodovia.

Estiveram presentes na reunião também o vice prefeito de Areal, Celso Silvestre de Abreu e o secretário de Obras daquele município, Ronan Márcio da Silva.

Compartilhar

PSB celebra 70 anos com ato político e cultural em Brasília

sexta-feira, 11 agosto, 2017

Militantes do PSB e todo o país se reuniram nesta quinta-feira (10), em Brasília, para celebrar os 70 anos de história do partido. Estiveram presentes integrantes da Executiva e do Diretório Nacional, governadores, senadores, deputados federais e estaduais, prefeitos, vereadores e representantes de movimentos sociais. Como parte das comemorações, aconteceu a conferência magna “Desafios da Esquerda Democrática no Brasil e no Mundo”, com o deputado do Partido Socialista Obrero Espanhol (PSOE), Ignácio Sánchez Amor, o pós-doutor em Ciência Política pela Universidade de Oxford (Inglaterra), Oscar Vilhena Vieira, e o jornalista e analista internacional Carlos Monge Arístegui, do Partido Socialista do Chile.

O evento começou com os hinos nacional e da Internacional Socialista e durante toda a cerimônia bandeiras foram agitadas pelos participantes. O salão azul do Hotel Nacional, onde acontecem as comemorações, foi decorado com uma exposição temática sobre a trajetória política do partido no país. Selo e carimbo comemorativos dos 70 anos foram lançados pelos Correios, e um vídeo-documentário foi exibido contando os principais momentos das sete décadas do PSB.

Durante a celebração, músicos e repentistas se apresentaram entre os discursos. O quarteto de choro do projeto Jaime Ernest Dias entoou a canção “Madeira que cupim não rói”, do compositor Lourenço da Fonseca Barbosa, conhecido como Capiba. O poeta Antônio Marinho recitou versos que compôs especialmente para a data comemorativa. Também apresentou o soneto Marginal Aposentado, do poeta Diniz Vitorino, e interpretou a música Luzes da Ribalta, de Charles Chaplin: “Para que chorar o que passou/lamentar perdidas ilusões/se o ideal que sempre nos acalentou/renascerá em outros corações”. O representante da Negritude Socialista Brasileira (NSB), Mandruvá Samba, de Sabará (MG), cantou o clássico da música popular brasileira, “O que é o que é”, de Gonzaguinha, acompanhado das centenas de presentes.

O presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira, relembrou a história do PSB desde sua criação, em 6 de agosto de 1947, sob o lema Socialismo e Liberdade. Destacou a figura de João Mangabeira, primeiro presidente do partido. “Nós somos, sem nenhuma modéstia, precursores da ideia extraordinária de não aceitar socialismo sem liberdade”, afirmou.Siqueira destacou nomes de socialistas históricos como o primeiro prefeito de capital eleito pelo PSB e reeleito duas vezes no Recife, Pelópidas da Silveira, o advogado Francisco Julião que liderou o movimento social das ligas camponesas, em Pernambuco, e o ex-governador e ex-presidente do partido, Miguel Arraes, quando liderou o Acordo do Campo, que obrigou usineiros a cumprirem as leis trabalhistas para os canavieiros da Zona da Mata.

Entre 1947 e 1964, recordou, o partido participou de momentos importantes da história política do Brasil, como a campanha O Petróleo é Nosso, em defesa do controle nacional, e a Campanha da Legalidade, para exigir a posse de João Goulart. Em 1965, o partido foi colocado na ilegalidade pela ditadura militar. Mas, em 2 de julho de 1985, o PSB é refundado e conserva o mesmo programa de 1947, de caráter socialista e democrático, lembrou o presidente. “Na sua reconstrução nesses mais de 30 anos de militância e de presença firme e coerente na política nacional, o PSB teve muitos problemas”, reconhece. Entretanto, avaliou Siqueira, as dificuldades enfrentadas pelo partido ao longo de sua história não o impediram de chegar aos 70 anos unido e coerente com seus princípios de sua fundação.

Na celebração dos 70 anos do PSB, o partido homenageou a Eduardo Campos – ex-ministro e ex-governador de Pernambuco, morto em acidente aéreo na campanha presidencial de 2010. O presidente do PSB, Carlos Siqueira, entregou uma placa a Renata Camps, viúva do ex-governador, que completaria 52 anos neste dia 10 de agosto. Ela estava acompanhada dos filhos João, Maria Eduarda, José e Miguel.

O presidente da Fundação João Mangabeira, Renato Casagrande, saudou a família Campos e ressaltou a coerência do PSB ao longo de sua história. “O PSB é um partido coerente desde a Esquerda Democrática, e agora, mais do que nunca, precisamos mantê-la e fortalecê-la no momento em que os brasileiros sofrem ataque das forças políticas conservadoras. Cabe a nós, socialistas, fazermos uma barreira para que possamos proteger o contrato social que é a Constituição de 1988”, afirmou.

O vice-governador de São Paulo Márcio França ressaltou a capacidade de liderança de Campos e disse que seu legado é referência principalmente entre os mais jovens, que não tiveram a oportunidade de conviver com lideranças mais antigas do partido. “A maneira de Eduardo conduzir as coisas, de enfrentar momentos difíceis, e sua capacidade de decisão envolvem até hoje cada um de nós. Ele passou pelo nosso partido de uma forma tão moderna e inteligente, e deixou o seu legado aos jovens que não tiveram a oportunidade de conviver com as lideranças mais antigas do PSB”, disse.

O governador do DF, Rodrigo Rollemberg, lembrou de momentos marcantes que vivenciou no PSB e disse que os socialistas não devem perder as esperanças diante da crise atual do país. Rollemberg afirmou ainda que os filiados “errarão menos e acertarão mais” se tiverem a capacidade de se espelhar em líderes como Jamil Haddad, Miguel Arraes e Eduardo Campos.

“Jamil Haddad dedicou a sua vida para organizar o PSB, é um exemplo para aqueles que estão iniciando a sua jornada na política. Arraes mantinha permanente comunhão com o povo. Eduardo Campos era um homem com os pés plantados na realidade e com os olhos voltados para o futuro. Se tivermos a capacidade de refletirmos sobre o que esses líderes fariam neste momento de dificuldade, vamos errar menos e acertar mais”, disse Rollemberg, que falou em nome dos governadores do partido.

Compartilhar

CVT aprova substitutivo de Hugo sobre remoção de veículo por dívida com IPVA

quinta-feira, 10 agosto, 2017

Fotos: Chico Ferreira / PSB

A Comissão de Viação e Transportes (CVT) aprovou, nesta quarta (9/8) substitutivo do deputado federal Hugo Leal (PSB/RJ) ao projeto de lei 3498/2015 (e os PLs 3.499/2015, 3.767/2015, 5.519/2016, 6.851/2017, 7.343/2017 e 7.525/2017, apensados) que veda vinculação entre o pagamento do IPVA e o licenciamento anual do veículo. O substitutivo mantém a vinculação mas estabelece que medida administrativa de remoção do veículo, caso não esteja devidamente licenciado, somente será aplicada se houver reincidência, nessa conduta, no período de 15 (quinze) dias até 12 (doze) meses após a data da infração.

Autor da Lei Seca e presidente da Frente Parlamentar em Defesa do Trânsito Seguro, o deputado Hugo Leal lembrou que a vinculação entre IPVA e licenciamento já está sendo aplicada há muito tempo, e a desvinculação poderia prejudicar estados e municípios. “Desvincular o pagamento do IPVA do licenciamento anual significa, na prática, estimular o não pagamento, uma vez que as alternativas existentes para a garantir a arrecadação, como a inscrição dos devedores no cadastro da dívida ativa, resultam em processos demorados e pouco eficazes, Retirar a exigência do pagamento do IPVA será estimular a inadimplência de uma parte da sociedade em detrimento de outra parte que cumpre com suas obrigações e tem consciência de sua responsabilidade como cidadão, em prejuízo à segurança no trânsito”, argumentou o parlamentar.

Hugo Leal considerou razoável a criação de alternativa que não criasse tanto impacto na vida do proprietário e possibilitasse a regularização do veículo sem o recolhimento ao depósito. Assim o substitutivo prevê que, no caso de veículo registrado que não estar devidamente licenciado, na primeira abordagem da fiscalização, haverá apenas a aplicação da penalidade de multa. Se o proprietário não regularizar o veículo e for abordado novamente, aí poderá será aplicada a medida administrativa de remoção ao depósito e a multa será aplicada em dobro. “Muitas vezes o vencimento do IPVA é muito próximo do vencimento do licenciamento, podendo gerar dificuldades para os proprietários de veículos automotores, que acabam tendo seus veículos recolhidos pelos órgãos de fiscalização logo que o licenciamento vence, sendo que muitos desses veículos são instrumentos de trabalho, sem os quais sequer o proprietário terá condições de juntar recursos para quitar os débitos pendentes”, explicou.

Compartilhar

Deputado pede debate sobre parlamentares venezuelanos no Parlasul

quinta-feira, 10 agosto, 2017

Em ofício ao presidente da representação brasileira, deputado Celso Russomano (PR/SP), o deputado federal Hugo Leal (PSB/RJ) propõe um debate sobre a manutenção dos parlamentares da Venezuela no Parlasul (Parlamento do Mercosul). No ofício, Hugo Leal, integrante do Parlasul, lembra a recente decisão dos chanceles dos países membros do Mercosul de suspenderem a Venezuela do bloco econômico com base no Protocolo de Ushuaia sobre Compromisso Democrático no Mercosul.

No ofício, o deputado Hugo Leal lembra que “o cenário político conturbado daquele país colocou em questionamento os princípios estabelecidos pelos Estados Partes e associados e a efetiva participação da Venezuela” como membro do Mercosul. “Recentemente, constantes episódios de violência levaram à prisão e morte de diversos manifestantes e o processo de eleição da Assembleia Nacional Constituinte foi questionado por organismos internacionais e por diversos países. Do ponto de vista político, a oposição questiona as ações de governo e a eleição realizada, o que pode levar a um governo autoritário”, destacou o parlamentar brasileiro.

Compartilhar

Hugo Leal prestigia posse de nova diretoria da FenaPRF

quinta-feira, 10 agosto, 2017

O deputado federal Hugo Leal participou, na noite de quarta-feira (9/8) da cerimônia de posse da nova diretoria da da Federação Nacional da Polícia Rodoviária Federal (FENAPRF), liderada pelo presidente Deolindo Paulo Carniel, “A segurança pública tem um papel importantíssimo na sociedade do século XXI e o Brasil precisa reconhecer o trabalho das forças de segurança, em particular da Polícia Rodoviária Federal”, destacou Hugo Leal, presidente da Frente Parlamentar em Defesa da PRF, na solenidade realizada no Distrito Federal.

O deputado voltou a protestar contra o problema no contingenciamento do orçamento da PRF. “Não posso e não vou me calar diante desse escalabro que está sendo feito com a PRF. “A Polícia Rodoviária Federal precisa de mais investimento e mais efetivo. Este contingenciamento só favorece o crime: o tráfico de drogas, o contrabando, o roubo de cargas. Vamos continuar protestando e atuando junto ao governo federal para que os recursos sejam desbloqueados”, afirmou Hugo Leal.

O presidente Deolindo Carniel que assume o cargo no triênio 2017/2020 reiterou o compromisso de fortalecer a entidade e defender a corporação. “Vamos dar o máximo para manter a FenaPRF forte, combativa e transparente”, afirmou. O ex-presidente Pedro Cavalcanti, eleito agora diretor parlamentar, fez um balanço de sua gestão. “Nestes seis anos, trabalhei para deixar a FenaPRF mais forte e mais organizada. Na nova função, vou trabalhar com nossos aliados no Congresso em defesa dos interesses dos policiais rodoviários federais e da instituição”, disse Cavalcanti.

Também fazem parte da nova diretoria o vice-presidente: Dovercino Borges Neto, o diretor de secretaria, Lourismar da Silva Duarte, o diretor de Secretaria Substituto, José Aurivan de Freitas, o diretor de Finanças, Ricardo José de Souza Sá, o diretor de Finanças Substituto, Reginaldo Galdino da Silva, o diretor de Patrimônio, Itler José de Oliveira, o diretor de Patrimônio Substituto, Antônio Carlos Correia de Lima, o diretor Jurídico, Tiago Arruda Cardoso da Silva, o diretor Jurídico Substituto, Marcelo de Azevedo, o diretor Parlamentar Substituto, Arthur Geovani da Cunha, o diretor de Comunicação e Divulgação, Fábio Henrique Silva Jardim e o diretor de Comunicação e Divulgação Substituto, Everson Feuser.

Compartilhar